sexta-feira, 24 de abril de 2015

Sexo depois dos 60

Ainda temos uma cultura muito arraigada de que o namoro e o sexo não são atividades apropriadas para pessoas da terceira idade, o que ainda é algo extremamente preconceituoso e baseado em mitos. Muitos casais acima dos sessenta anos mantêm a relação sexual de forma saudável, salvo em casos onde o estado físico de um ou de ambos os cônjuges impeçam que a relação aconteça.
Um estudo realizado com mais de 3.000 norte americanos, dos 57 aos 85 anos, sobre o comportamento sexual do idoso foi publicado no The New England Journal of Medicine e relata alguns resultados impressionantes. Essa pesquisa caracteriza-se como o maior estudo já realizado sobre o assunto nos Estados Unidos:
- Verificou-se que a maioria dos americanos continua sexualmente ativa aos 60 anos e quase metade continua a ter sexo regularmente depois dos 70.
- Os problemas sexuais mais presentes foram a diminuição de desejo sexual, na mulher, e dificuldades de ereção, no homem.
- Constatou-se que, por diversas razões, as mulheres eram significativamente menos sexualmente ativas que os homens depois dos 57 anos.
- Comparativamente com os homens de idades semelhantes, surgiram mais mulheres sem parceiro e com menos prazer sexual.
- Cerca de 84% dos homens, entre os 57 e os 64 anos, relataram ter tido algum tipo de contacto sexual com outra pessoa, no ano anterior, em comparação com 62% das mulheres na mesma faixa etária. Estes números diminuíram para 38 por cento e 17 por cento, respectivamente, em pessoas de com mais de 75 anos.
- Dos entrevistados com vida sexual ativa, cerca de dois terços referiu ter relações sexuais pelo menos duas vezes por mês aos 70 anos, e mais da metade continuou nesse ritmo aos 80 anos.
- Quase metade das pessoas, sexualmente ativas, relatou pelo menos um problema sexual. Cerca de 43% das mulheres referiu sentir uma diminuição do desejo e 39% com falta de lubrificação vaginal. Nos homens as dificuldades de ereção são as mais presentes com cerca de 37% dos casos. No entanto, apenas cerca de um terço dos homens e um quinto das mulheres, com mais de 50 anos, disse ter falado com o seu médico sobre as suas dificuldades sexuais.
Segundo Robert Butler, presidente do International Longevity Center, em Nova York, “Existe a idéia generalizada de que o sexo, de alguma forma, não ocorre nos últimos anos, e este estudo demonstra claramente que a atividade sexual, na realidade, não diminui assim tanto”.
Os estudos realizados ainda são poucos, contudo mostram um pouco da sexualidade na terceira idade. Sexo faz bem em qualquer idade, desde que seja feito com respeito, carinho e responsabilidade.

O Silêncio - sobre abuso sexual