terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Sexualidade durante a gravidez

Gravidez é inevitavelmente um momento de grandes mudanças: mudanças corporais, hormonais, nos planos e metas.
Um casal que engravida pela primeira vez passa por diversos momentos, inicialmente a mulher apresenta enjôos, insegurança, felicidade, tristeza.
No homem, em alguns casos, inicia um misto de sentimentos em relação aquela mulher que antes era sua esposa, e agora passa também a ser mãe! Esse sentimento de maternidade na esposa causa às vezes insegurança e um certo afastamento sexual da esposa!
Paralelamente a isso a mulher, quando percebe esse distanciamento masculino, sente-se insegura e rejeitada.
O casal precisa estar bastante unido e sincronizado nesse objetivo que deve ser em comum: gerar um bebê, ter um filho!
Nos meses finais de gestação a insegurança e o medo em machucar o bebê, além dos incômodos causados pelo tamanho da barriga pode diminuir a atividade sexual do casal, principalmente porque as opiniões médicas em relação a abstinência sexual nas semanas finais de gestação ainda não entram em consenso, alguns médicos apontam a abstinência no ultimo mês de gestação, outros faltando 15 dias, outros com uma semana e alguns não colocam o casal em abstinência!
Após o nascimento do bebê, entra em ação a prolactina, que é o hormônio responsável pela produção de leite. A prolactina causa uma diminuição do desejo sexual na mulher, além do fato de um bebê recém nascido requerer muito cuidado, atenção e tempo da mãe. Todos esses fatores juntos só aumentam a falta de desejo na mulher. É preciso ter em conta ainda que para muitas mulheres, amamentar e cuidar do filho recém nascido é tido como um momento mágico e único na vida de uma mulher, ela quer aproveitar esse momento que sem sentir toma todo o tempo delas. Resta ao pai, companheiro, saber lidar com essa situação e compartilhar com a companheira esse momento mágico, vale frisar que, o homem que sabe tornar-se companheiro da mulher nesse momento será digno de respeito e devoção dessa mulher, quando ela estiver pronta a retomar suas atividades cotidianas!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Um PoUcO mAiS sObRe TrAnSeXuAlIdAdE

    Temas em Sexualidade são realmente cheios de dúvidas, angústias e questionamentos.
    A transexualidade realmente causa um sofrimento intenso, mente e corpo não se conectam
    As Leis que regulamentam a cirurgia de transexualidade ainda estão em constante mudança. Anteriormente, exigiam-se no mínimo 02 anos de acompanhamento psicoterápico até que a cirurgia de redesignação sexual fosse autorizada, entretanto o Conselho Federal de Medicina vem propondo alterações.
    O Hospital das Clínicas em São Paulo proporciona a cirurgia paga pelo SUS, contudo a fila de espera é ampla. Já na FAMERP, como se trata de um serviço particular, os procedimentos são menos burocráticos, entretanto isso não implica que a cirurgia seja feita quando o paciente quer, mas sim quando toda a equipe que acompanha o caso assim a autoriza.
    Em Natal, já é possível encontrar alguns transexuais na fila de espera para cirurgia de redesignação sexual. Entretanto é importantíssimo se ter em mente que, a redesignação sexual nunca será exatamente como é no biológico-fenotípico.
    Segue algumas referências que podem ajudar:
    No ultimo link, a referência é Maria Jaqueline Coelho Pinto, quem procura mais informações pode tentar enviar email pra ela. O email está disponível no site
    Para quem procura realmente a cirurgia de redesignação sexual já pode estar procurando acompanhado psicoterápico, não precisa necessariamente ser sexólogo ou terapeuta sexual, pode ser com psicólogo ou psiquiatra. A escolha por um desses profissionais ou especialistas fica a critério do paciente!.
    Ficamos a disposição para responder a mais dúvidas!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Estágio Supervisionado

Em Fevereiro: Últimas vagas para Terapia Sexual - As vagas são destinadas a população com baixa renda familiar e o custo das sessões serão a valor simbólico.
Transtornos que serão acompanhados:
  • Disfunção erétil masculina (conhecido popularmente como impotência sexual)
  • Anorgasmia masculina e feminina (inexistência de orgasmo)
  • Dispareunia (dor excessiva na relação)
  • Vaginismo (contração involuntária da musculatura da vagina que impede a penetração)
  • Ejaculação rápida (conhecida como ejaculação precoce)
  • Ejaculação retardada
  • Desejo sexual hipoativo (conhecida como frigidez, ausência ou baixo desejo sexual)
Os atendimentos estão disponíveis nas cidades de: Natal, Mossoró, Santa Cruz e Umarizal
Interessados ligar para Juliana : 9636-1468